Tudo sobre o reumatismo

Reumatismo é o nome usado para denominar uma categoria de doenças que afetam os músculos, as articulações (juntas) e o esqueleto. São doenças caracterizadas por dores intensas (dependendo do grau) e restrições nos movimentos. Neste grupo encontram-se aproximadamente 130 doenças.

Então reumatismo não é o nome de uma doença específica. Este grupo de doenças afetam principalmente os ombros, joelhos e punhos, mas podem também afetar o sistema gastrointestinal, o sistema respiratório, a pele e outros locais do corpo.

A expressão reumatismo nos remete a uma doença grave, mas agora você já sabe que é um nome geral e que dependendo do tipo existe tratamento e prevenção.

Geralmente estes tipos de doenças afetam mais as pessoas idosas porque estas sofrem de um desgaste “natural” das cartilagens resultante do tempo, mas pode também afetar pessoas de todas as idades. Por exemplo, a artrite reumatoide juvenil, que é diagnosticada em jovens que apresentam dores nas articulações.

Causas

O reumatismo tem várias causas e depende do diagnóstico para identificá-la. As mais comuns são

  • Falha no sistema imunológico (pode ser causado por infecções virais ou bacterianas)
  • Desgastes (de cartilagens, tecidos ou órgão)
  • Hereditariedade
  • Excesso de consumo de tabaco

Sintomas

O sintomas principais são: dores ao movimentar-se, vermelhidão, calor ou inchaço na área que apresenta a dor, dores nas articulações, dificuldade para movimentar-se (principalmente de manhã ao acordar).

Qualquer um destes sintomas pode significar algum tipo de reumatismo. Procure seu médico para que através de exames ele possa confirmar seu diagnóstico.

Tratamento

O reumatismo pode ser uma doença progressiva e de longa duração. Podem causar ansiedade e depressão.

Existem vários tratamentos, dependendo do diagnostico, do estágio e da evolução da doença. De um modo geral, são recomendados anti-inflamatórios e cortisona, alguns produtos naturais tem dado bons resultados também, o Flex Caps é um destes que se comprovou ser bem eficiente.

Prevenção

Alguns cuidados com alimentação podem ajudar a prevenir ou controlar o reumatismo.

Você pode introduzir no seu cardápio alimentos ricos em vitamina C

(encontrada nos cítricos), Vitamina D (encontrada nos laticínios e nas gemas), vitamina E (encontrada no azeite e nas nozes), além de maçã e cebola (quercetina) castanha do Pará e cogumelos (selênio), cenoura e couve (betacaroteno).

Também é recomendado evitar carboidratos, açucares e frituras. Além de suplementos vitamínicos que estão disponíveis no mercado.

Veja mais sobre os sintomas e tratamentos:

Pronto, agora você já sabe um pouco mais sobre o reumatismo, causas, tratamentos e como prevenir o problema para viver com mais qualidade de vida!

Principais causas da artrite

Para quem não conhece, a artrite nada mais é do que uma doença inflamatória crônica, que ocorre nas articulações do corpo, especialmente pés e mãos.

A sua ação no organismo causa uma interferência no revestimento das articulações, causando um inchado que é bastante doloroso.

Eventualmente, esse quadro pode evoluir ainda mais para uma erosão óssea ou para a deformidade das articulações.

A artrite reumatoide é uma doença autoimune, ou seja, é o próprio sistema imunológico que age atacando por engano estruturas e tecidos que estão saudáveis no corpo.

De acordo com especialistas, além de problemas articulares, a artrite ainda pode ocasionar outros problemas em alguns outros órgãos do corpo, tais como pulmões, pele, olhos e vasos sanguíneos.

Segundo a SBR (Sociedade Brasileira de Reumatologia), a artrite é um mal que atinge cerca de 1% da população, atingindo pessoas de todas as idades, incluindo crianças.

Quando ocorre entre os 2 e 15 anos de idade, é classificada como artrite reumatoide juvenil. Já na fase adulta, o problema é chamado apenas de artrite reumatoide.

A frequência de ocorrência é maior no público feminino por causa do fator hormonal, visto que o estrogênio afeta o sistema imunológico feminino, por isso para mulheres que sofrem desse problema é recomendado fazer o uso do gnesis que é um suplemento natural que combate a artrite, artrose e várias outras doenças relacionadas.

Principais causas da artrite reumatoide

São muitos os fatores que podem levar ao desenvolvimento da artrite. O primeiro deles é a genética, ou seja, se você tem algum grau de parentesco com pessoas que tem o problema, isso é considerado um fator de risco.

A carga genética que é passada do pai para o filho pode contar os genes da doença.

Mais do que os fatores genéticos, a artrite ainda pode estar relacionada com infecções bacterianas e virais.

Isso porque as bactérias e vírus podem entrar na corrente sanguínea, levando a um grande desequilíbrio do sistema imunológico, resultando em um quadro de artrite.

Vale lembrar que até mesmo dores de garganta ou infecções urinárias podem desencadear o problema.

O cigarro também é considerado um facilitador para o problema, podendo afetar até mesmo as pessoas que não fumam, mas que tem contato com o cigarro indiretamente.

Especialistas afirmam que os fatores ambientais podem desencadear a artrite reumatoide, bem como alguns poluentes como a sílica, que é um componente da areia.

Além disso, ser mulher não é uma causa, mas também pode ser considerado um fator de risco para o surgimento da doença, recomendo que assista o vídeo abaixo e veja mais detalhes sobre esse problema,

Transplante capilar para calvície

Uma das principais causas da calvície são fatores genéticos, lembrando que essa é uma condição que pode se manifestar em qualquer idade. No entanto, quanto mais cedo for a sua manifestação, mais acentuado é o caso e mais difícil é lidar com suas consequências.

O transplante capilar se princípios que já são estudados desde a década de 50, nos quais um folículo capilar retirado de uma área doadora e aplicado em uma área calva vai se comportar como se estivesse em seu lugar de origem, ou seja, irá criar raízes e crescer.

Dessa forma, a ideia é bastante simples: retirar os cabelos de uma área que não foi afetada pela queda de cabelos, já que seus folículos não apresentam predisposição à queda. Assim, os fios voltam a crescer naturalmente.

Quando o transplante capilar é indicado?

Esse tipo de procedimento pode ser realizado em qualquer pessoa que esteja apresentando um quadro de alopecia androgenética e que deseje recuperar os cabelos na área de calvície. Mas só se você realmente estiver calvo, se o problema for apenas alguma falha pequena em alguma região, dai não compensa, vale mais a pena usar Make Hair para disfarçar e pronto.

Porém, é sempre muito importante que um profissional possa analisar cada caso de forma individualizada, a fim de determinar o estágio da calvície e a melhor forma de proceder com o transplante.

Isso porque alguns especialistas só indicam a realização do procedimento depois que o problema já está estabilizado.

Como funciona o transplante capilar

Existem duas técnicas que podem ser utilizadas para a realização do transplante capilar. A mais conhecida e mais simples se chama FUT, que é a sigla em inglês para transplante da unidade folicular.

Além disso, existe a técnica que se chama FUE, que é a sigla em inglês para extração das unidades foliculares, lembrando que essa não deixa a cicatriz linear como a anterior.

A técnica FUT, que é a mais convencional, realiza a remoção de uma faixa de cabelo na parte de traz da nuca. Essa faixa é levada a um microscópio de alta resolução e dividida em fatias muito finas de 1mm, que se chama slivers.

Então, essas pequenas fatias são separadas em unidades foliculares com 1, 2 ou 3 fios.

Na técnica FUE, o cirurgião realiza a remoção da unidade folicular diretamente do couro cabeludo, que posteriormente são levadas ao microscópio para serem lapidadas.

a diferença entre os procedimentos está somente no modo como as unidades foliculares são obtidas. Depois disso, ambos processos realizam o transplante por meio de pequenas incisões no couro cabeludo.

Para saber mais sobre transplante capilar, assista:

Segredos para se livrar do calorão da menopausa

O calor é um dos principais sintomas que mais incomodam as mulheres que estão na menopausa, afinal, tem algumas que até precisam andar com uma toalhinha para secar o suor.

Além disso, existem outros sintomas ligado a este calor, que são: rosto vermelho, formigamento nos dedos, coração acelerado, a pele costuma ficar mais quente do que o habitual e tonturas.

Se você está sofrendo com isso, vamos contar segredos para se livrar daquele calorão da menopausa.

Aposte em alimentos que contenha fito hormônios

Os alimentos que contém fito hormônios vão tranquilizar a variação hormonal que ocorre nesse período, já que as ondas de calor sentidas pelas mulheres são causadas por uma alteração no hipotálamo, região que regula a temperatura corporal.

Conheça alguns alimentos ricos fito hormônios:

  • Ginseng;
  • Soja;
  • Repolho;
  • Grãos integrais;
  • Azeite de Oliva;
  • Salsinha;
  • Brócolis;
  • Ameixa;

Algumas frutas ajudam a aliviar os sintomas da Menopausa e diminuir o calorão também, caso da Amora ou Amora Branca, se você não tiver fácil acesso a compra de frutas silvestres como estas, existem opção em cápsula como o Max Amora que é um dos melhores concentrados de amora a venda, vale a pena ter um potinho em casa e um na bolsa.

Faça da água a sua melhor amiga

A água vai te ajudar muito a vencer aqueles calorões, pois ela pode ser usada de várias formas para aliviar o sintoma. Entre as formas que você pode usar a água, estão:

  • Beba água bem gelada várias vezes ao dia, dessa forma, você terá uma sensação refrescante;
  • No momento do calorão, tente ir ao banheiro para molhar os pulsos, colocar água atrás do pescoço e, se necessário, molhar a testa também.

Use ventilador ou leque

Para que você consiga sentir um momento refrescante, aposte no leque ou no ventilador. Se você sofrer muito com estes calorões no seu trabalho, compre um ventilador portátil ou use apenas um leque – vai depender da intensidade do calor.

Já para melhorar as suas noites de sonos, o ideal é que durma com o ventilador ligado bem perto da sua cama. Claro, que se no seu quarto tiver um ar condicionado, opte por ele.

Tente usar roupas mais confortáveis

Se possível, durante o período da menopausa, tente usar roupas ainda mais confortáveis e que não esquentam. O ideal é apostar nas roupas de algodão, que são mais leves e ainda ajudam a entrar um “arzinho”.

Tente também dormir com pijamas mais confortáveis e, se necessário, deixe sempre um de reserva por perto.

Tudo que você precisa saber antes de comprar uma babá eletrônica

Aquelas pessoas que acharam que era desnecessário ter uma babá eletrônica, certamente, estão se arrependendo nesse momento, por falta de praticidade e agilidade nos cuidados com o bebê.

O fato é que até bem pouco tempo atrás as mães achavam que esse era um item desnecessário, mas a verdade é que ele pode ser a garantia de mais sossego, tanto para as tarefas do dia a dia quanto para a noite.

Então, se você está interessada no assunto, continue lendo e veja tudo o que você precisa saber antes de comprar uma babá eletrônica.

Onde colocar a babá eletrônica?

As babás eletrônicas ajudam a acompanhar o bebê à distância, podendo ser muito útil até mesmo quando se tem ajuda. Isso porque o uso do aparelho traz mais segurança.

O melhor lugar para colocar sua babá eletrônica, se ela for de vídeo, é em um lugar que possa oferecer a visão de todo o berço. Caso seja apena com som, o ideal é colocar ela perto do berço, para captar o choro do bebê e outros ruídos que ele emita.

Como funciona a babá eletrônica

As babás eletrônicas tem um funcionamento semelhante a um walkie talkie, que são aqueles rádios vendidos em pares, que utilizam a mesma frequência para se comunicar em distâncias longas.

Os modelos com câmeras, sem dúvidas, são os mais indicados, visto que não é preciso levantar para conferir qualquer barulhinho. Vale lembrar ainda que algumas marcar oferecem até a opção de dar zoom ou de conversar com o bebê à distância.

Como escolher o modelo ideal

Antes mesmo de comprar a sua babá eletrônica é importante ter alguns detalhes em mente, que são os seguintes:

  • Sua casa é pequena ou grande? Isso irá definir se o produto escolhido precisa ter uma frequência de grande alcance ou não.
  • Com fio ou sem fio? O local ideal para a instalação do aparelho tem tomada perto, é fácil mantê-lo ligado?
  • Qual a tensão na sua casa?
  • Existe a necessidade de usar um modelo com câmera ou um modelo somente com áudio já é suficiente?
  • Quanto você está disposto a investir?

Todos esses detalhes são essenciais para determinar a sua escolha e o produto que melhor vai atender às suas necessidades. Vale lembrar ainda que alguns aparelhos possuem o modo Vox, que transmite apenas quando detecta algum som no ambiente.

Para saber mais sobre esse assunto, assista o vídeo abaixo: