Transplante capilar para calvície

Uma das principais causas da calvície são fatores genéticos, lembrando que essa é uma condição que pode se manifestar em qualquer idade. No entanto, quanto mais cedo for a sua manifestação, mais acentuado é o caso e mais difícil é lidar com suas consequências.

O transplante capilar se princípios que já são estudados desde a década de 50, nos quais um folículo capilar retirado de uma área doadora e aplicado em uma área calva vai se comportar como se estivesse em seu lugar de origem, ou seja, irá criar raízes e crescer.

Dessa forma, a ideia é bastante simples: retirar os cabelos de uma área que não foi afetada pela queda de cabelos, já que seus folículos não apresentam predisposição à queda. Assim, os fios voltam a crescer naturalmente.

Quando o transplante capilar é indicado?

Esse tipo de procedimento pode ser realizado em qualquer pessoa que esteja apresentando um quadro de alopecia androgenética e que deseje recuperar os cabelos na área de calvície. Mas só se você realmente estiver calvo, se o problema for apenas alguma falha pequena em alguma região, dai não compensa, vale mais a pena usar Make Hair para disfarçar e pronto.

Porém, é sempre muito importante que um profissional possa analisar cada caso de forma individualizada, a fim de determinar o estágio da calvície e a melhor forma de proceder com o transplante.

Isso porque alguns especialistas só indicam a realização do procedimento depois que o problema já está estabilizado.

Como funciona o transplante capilar

Existem duas técnicas que podem ser utilizadas para a realização do transplante capilar. A mais conhecida e mais simples se chama FUT, que é a sigla em inglês para transplante da unidade folicular.

Além disso, existe a técnica que se chama FUE, que é a sigla em inglês para extração das unidades foliculares, lembrando que essa não deixa a cicatriz linear como a anterior.

A técnica FUT, que é a mais convencional, realiza a remoção de uma faixa de cabelo na parte de traz da nuca. Essa faixa é levada a um microscópio de alta resolução e dividida em fatias muito finas de 1mm, que se chama slivers.

Então, essas pequenas fatias são separadas em unidades foliculares com 1, 2 ou 3 fios.

Na técnica FUE, o cirurgião realiza a remoção da unidade folicular diretamente do couro cabeludo, que posteriormente são levadas ao microscópio para serem lapidadas.

a diferença entre os procedimentos está somente no modo como as unidades foliculares são obtidas. Depois disso, ambos processos realizam o transplante por meio de pequenas incisões no couro cabeludo.

Para saber mais sobre transplante capilar, assista: